quarta-feira, outubro 01, 2014

Das Profundezas, Salmo 130

Das profundezas clamo a ti, ó Senhor;
Ouve o meu grito! Que teus ouvidos estejam atentos
ao meu pedido por graça!
Se fazes conta de minhas iniquidades, Senhor, quem poderá se manter?
Mas contigo está o perdão, tenho esperado por ti, ó Senhor, por causa de teu nome.
Minha alma espera, confiando na tua palavra:
Minha alma tem esperança no Senhor,
De manhã até a noite; que Israel possa ter esperança no Senhor do alvorecer ao anoitecer.
Pois a misericórdia está na mão do Senhor, e nele se encontra redenção em abundância;
Ele vai resgatar Israel de todas suas iniquidades
.

Grupo Batista e o Hotel São João

Nossa noite foi maravilhosa. A Nina, como sempre, faz-me contar histórias até perto das 2 horas da manhã, e, é claro, sempre ligada no Discovery.

Aqui no Hotel do Batista, ela alterou boa parte da rotina. Todos já a conhecem, o pessoal da copa leva leitinho quente e quer sempre os beijinhos. Ontem, ela estava eufórica, feliz, tinha conversado bastante com a mãezinha dela por telefone e comeu duas pratadas de massa com lasanha.

O Hotel do São João, que nós chamamos Hotel do Batista, é uma empresa exemplar, tudo funciona perfeitamente bem, servidores super educados, bem formados e pode-se dizer, sem medo, que tudo aqui é impecável. Hoje pela manhã, eu estava tomando café em pé, comendo um sanduíche com café preto. O Batista viu-me em pé e veio falar comigo. Expliquei-lhe que a Nina estava dormindo. Ele ficou sensibilizado, mandou levar café na cama para a Nina, uma bandeijada com sucos, saladas de frutas, variedades de bolos e tortas. Isso é de um humanismo transcendente. Ele, pessoalmente, adora a Nina. Só uma pessoa maravilhosa como ele, um vencedor, um homem de alma limpa e pura é capaz de gestos semelhantes de solidariedade humana.

Eu sei que a Nina acaba causando problemas, por exemplo, quando ela vai para o telão da sala de vídeos, os adultos acabam assistindo Peppa com ela...mas acho que eles levam numa boa, porque ela acaba contando histórias o tempo todo.

Como sociólogo, eu sei da seriedade do grupo Batista, da forma como os servidores são tratados, o respeito, a dignidade, o cumprimento fiel da legalidade trabalhista...é um grupo familiar abençoado por Deus e cheio de anjos.

Eu escolhi morar aqui, nesses 4 dias por semana em que fico com minha filhinha, por algumas razões. O restaurante é junto, o serviço de copa realmente funciona, a Nina é super-bem tratada, e o conjunto é impecável e exemplar. Ademais, eu sou viciado em suco de laranja e o único suco de laranja realmente puro e alta qualidade que eu conheço em Santiago é o da lancheria do Batista.

Logo mais vamos para a aula, e eu começo minha rotina no escritório. Estou um pouco desligado dessas eleições, mas minha declaração de voto é bem clara e indica com nitidez minha posição ideológica. Pena que muitos petistas optaram sempre pelo confronto comigo em razão do meu trabalho, da minha empresa prestadora de serviços na área de imprensa.

Agora estou bem existencialmente, vivi uma crise muito doída, sofri perdas, fui ao fundo do poço, beirei e decadência, mas a mão de Deus, sempre piedoso, esteve ao meu lado, ouviu as minhas súplicas, afastou a dor do meu peito, a angústia do meu coração, reestabeleceu-me a normalidade afetiva, fez-me entender as razões da separação conjugal, que não partiu de mim, e, sobretudo, Deus ouviu-me ao afastar do meu ser qualquer resquício de rancor. Por tudo, estou muito feliz, em paz e em harmonia. Com fé, crença e oração, estou novamente bem, superando-me mais rápido do que eu próprio imaginava. Apenas com o poder de Deus.

terça-feira, setembro 30, 2014


Dúvidas

Eu já nem sei mais o que está acontecendo comigo.

Meus votos são abertos


Meus votos são abertos:

Dilma – Presidente

Tarso – Governador

Olívio – Senador

Henrique Fontana – Deputado Federal

Bianchini – Deputado Estadual

Das amizades de nossas vidas e os anjos




 Por ser existencialista, por sofrer de depressão, sempre tive uma dependência muito grande de amizades sinceras, amizades profundas.

O significado de um amigo, para mim e meus padrões, é algo quase metafísico, muito além da pura acepção da palavra e chegando a transbordar em minhas emoções mais intimistas.

Quando perco um amigo ou uma amiga, sofro terrivelmente, caio numa tristeza profunda, tenho dificuldades até em sorrir. Amo muito certas pessoas e isso é sentimento íntimo, difícil de descrever, de resumir com palavras e construções frasais.

Minha tristeza com a separação da Eliziane teve um conteúdo afetivo sexual, mas o que mais me doeu é que eu era realmente um grande amigo dela, talvez – para mim – ela fosse a minha melhor amiga e por ela eu fazia tudo, dava meu sangue, meu suor, pedaços da minha vida, porque é meu modo de ser com as pessoas que eu escolho para ser amigo. Perdendo-a, perdi um relacionamento afetivo, mas também a pessoa que mais representava o vínculo mais puro de amizade. É óbvio, fiquei triste, chocado, amargurado e mergulhei numa estranha sensação de perda, cujas razões até hoje não entendo direito, porque entendo que a comunicação amor amizade não precisa necessariamente ser ligada. No meu caso foi e daí a dor maior pela perda de tudo.

Deus conhece meu coração. Deus conhece meus sentimentos. Dentre os mistérios divinos, de repente, do nada, do facebook, apareceu uma pessoa que disse que me entendia, que me queria  me ajudar, e, com o passar do tempo, realmente tornou-se minha melhor amiga, ocupou um lugar divino dentro de mim, não me pediu nada, apenas ofereceu-me sua capacidade de compreensão. Com ela, abri-me, contei tudo sobre meus dramas, minhas dores, trocamos ideias sobre os sentimentos e ela me fez entender melhor a própria Eliziane e seus sentimentos. 

Minha amiga também vive problemas no relacionamento e embora jovenzinha, um pouco mais jovem que a Eliziane, ela própria sabe sintetizar com sabedoria os dramas afetivos que enfrentamos.

Não temos nenhum envolvimento afetivo, nada disso, é tudo apenas amizade, amizade pura, límpida, escorreita e linda. Ela pegou-me no fundo do fundo do fundo do poço, começou a conversar comigo sem interesse algum, pois sabe que não sou ninguém e não tenho nada. E ainda por cima perdi tudo o que tinha.

Jamais imaginei que aquela moça que eu dia eu botei a boca num debate em blogs, viesse a se tornar minha melhor amiga, minha companheirinha de conselhos a ponto de saber tudo da minha vida, dos meus defeitos, das minhas virtudes, a ponto de ajudar-me e fazer-me sentir-me bem, reencontrar-me e partir para a superação.

Sempre disse que Deus saberia me ajudar e usar as pessoas certas para ajudarem-me nessa superação terrível. Ela veio, veio, veio, falou, expressou-se, sintetizou tudo com tanta perspicácia e sabedoria que conseguiu virar meu coração ao avesso. Fez-me sentir o significado da dor e os mistérios da vida. Não falou uma palavra de mal da Eliziane, apenas me fez entendê-la em sua ânsia pela vida e as amarras de um relacionamento.

Hoje já me sinto diferente. Entendi e assimilei a perda da amizade e do relacionamento afetivo que tive com a Eliziane. Respeito-a em sua liberdade de escolha e não guardo rancor em meu coração.

Domingo à tarde, enquanto eu dormia um sono profundo, límpido, quase um sonho angelical, o telefone tocou. Era para a Nina. Adoro ficar com minha filhinha, amo-a demais, é minha amiguinha, ao seu modo, ao seu estilo. Ela gosta de sair pela praça comigo, comer cachorro-quente de rua, brincar nos canteiros, ouvir histórias ao dormir e dormir sempre ao meu lado. E ela guarda alguns segredos, sempre quando ela percebe que o sono está chegando, começa a acariciar meu rosto e a pronunciar que me ama...que me ama, que me ama...e dorme.

Ontem, ela foi além e contou que está namorando o João, e perguntou-me: “tu não se importa não é pai?”. Ela me explicou que o João é o mais bonzinho para ela, que brinca com delicadeza, que não bate nas guriazinhas...e também descobri que o Miguel Bazzana é  o terror...para ele todas são bonitas, diz isso para uma, diz isso para outra, e elas sabem entre si que ele é assim...que coisa mais curiosa. Elas e eles se namoram mas não sabem uns dos outros.

 Nina adora a bagunça quando está ao meu lado, ela sabe dos meus sentimentos e curte intensamente a vida ao meu lado.

Meu estado de espírito é bem diferente nos últimos dias. Tenho conseguido me superar bem. Agora, com a presença da minha filha e com o afeto dessa amiga que me compreende, que me ouve, que se abre comigo, que deixou eu contar para ela meus dramas e ela contou-me os dela, do sexo ao não sexo ao amor... sinto-me bem, sinto que existe pureza nisso tudo, que existe a mão de Deus me ajudando. Tenho o Régis, filho do Rossano, que é um anjinho, abraço-o, beijo-o e sei que ele me ama, começo a notar o quanto os anjos estão acampando ao meu redor, especialmente com o Régis e a Nina.

Já o outro anjo, prometeu que hoje ou amanhã vai jantar conosco aqui no Batista, onde eu e a Nina ficamos morando em trânsito. Ela é o anjo da Graça. Obrigado por tudo Carla.

segunda-feira, setembro 29, 2014

Doutor Ruy Gessinger

 
Viste como és um advogado prestigiado?
Agora, por favor, (...) 
(...)
Sub censura, heheheheh

Ruy Gessinger

----------------------------

Nota do blog - O meu prezado amigo Ruy Gessinger é uma figuraça, um ser humano maravilhoso e um amigo e confidente. Considero-o uma das pessoas mais inteligentes que conheço, tem a habilidade das águias, é um às. Às vezes me dá certos conselhos que eu tenho que botar (...) assim mesmo. RSRSRSRSRSRSRS.

E-mail do Arquiteto Artur Dornelles Vieiro

Nina, minha filhinha, eu e o Arquiteto Artur Vieiro, autor do e-mail.
Prezado amigo Doutor Júlio Prates:

Em primeiro lugar quero pedir que publiques esse e-mail em seu blogue. 

Quero tornar público minha satisfação ao receber a ata final de minha reintegração na EMATER, devidamente homologada pelo Tribunal Regional do Trabalho. 


Credito essa vitória ao seu trabalho e a sua competência, pois ganhou de uma das maiores bancas de advogacia do Estado. Confesso, no início, quando vi quem era a banca que defendia a EMATER, senti-me pequenino e pensei comigo: "pobre do Julinho nas mãos dessas feras".

Na audiência, quando houve os debates, só revelo isso agora, notei que o amigo ganhava todas, mal podia acreditar. Os caras vieram de Porto Alegre com tudo e encontraram um paredão que jamais sonhavam que existisse aqui nas grotas. Infelizmente, é assim que eles tratam nós. 

Ganhamos aqui em Santiago, com sua defesa brilhante e bem construída, que resultou na ação de minha reintegração. O senhor ganhou bem também quando eles entraram com uma cautelar inominada, pedindo meu afastamento. E, por fim, a vitória unânime no colegiado do Tribunal Regional do Trabalho, não deixou dúvidas. 

Era Davi contra Golias. Júlio, você é muito maior do que você pensa, você vive com uma humildade que muitos te subestimam. Mas eu vi, presenciei o quão talentoso tu és. Sem a menor sombra de dúvida, para mim, o maior Advogado de Santiago e região. Sabe usar as palavras certas, construir os raciocínios lógicos e deu uma lição (inclusive em mim) naqueles que falam em buscar advogados de peso em Porto Alegre.

Em Santiago temos advogado.

Minha gratidão e meus parabéns. Sei que andas sofrendo com essa separação, mas isso também é fruto da tua bondade, isso vai passar e Deus reservará para ti e tua filhinha dias melhores porque como bem escrevestes: os justos nunca ficam desamparados


Teu amigo.


Artur Dornelles Vieiro.

 

domingo, setembro 28, 2014

Um doce de domingo

Almocei em companhia do meu sobrinho, Dr. Rossano Prates. Na verdade, fizemos um belo churrasco, trocamos ideias, conversamos, sorrimos bastante e aproveitamos o passar das horas com riqueza de serenidade. 

Voltando para casa, apenas abri meus meus e-mails. Um, do Canadá, me deixa feliz da vida, respirei fundo, li tudo, falava de mim, de minha vida e de minha filha. E dormi o sono mais doce e angelical dos últimos tempos. Só acordei com o telefone tocando, número desconhecido, depois vim saber que se tratava de uma ex-familiar minha. 

De qualquer forma, a paz interior é muito boa, a sensação de alívio e justiça é melhor ainda. Amanhã, pego minha filhinha, ao invés de terça, adoro ficar com ela, já comecei até a fazer os planos, comprar lápis coloridos, folhas de papeis para ela pintar e o pessoal do hotel já sabe que a calma acabou. Ela mexe com todo mundo, conversa, inventa histórias, mas, enfim, quebra a rotina seca e fria de um formalismo sério. 

Certa noite ela encontrou um engenheiro do SEBRAE de Erechim e começou a contar para ele que o pai dela era um caçador de monstros, com a maior seriedade do mundo. Então logo vem as viagens pelas cavernas, os temporais, a escuridão e ela sabe cativar bem as pessoas com seu estilo sério de inventar histórias. Enfim, essa é minha filhinha amada, que a partir de amanhã me dá o privilégio de sua companhia. E isso me alegra, me deixa feliz e cheio de esperanças. Vou iniciar uma ótima semana.

sábado, setembro 27, 2014

Sábado

Passei a tarde sábado sozinho. Só sai para dar algumas voltas na pista do Ginasião. Foi bom, exercitei-me, respirei um ar puro e voltei para meus aposentos. A noite, apenas comi um porção da batatas fritas com guaraná e voltei. Na verdade, não falei com ninguém, exceto um senhor, o Paulo, ex-esposo da Marisa, que falou comigo lá no Ginasião. Pessoa fina, homem educadíssimo, gostei muito dele, embora a brevidade do contato. 

Penso na Nina o tempo todo e ao ver um criança logo me lembro dela. Mas preciso ir  me acostumando com a lógica do meu novo estilo de vida. A solidão não é má companhia, basta a gente se adaptar a ela. Com  o tempo, tudo vai se ajeitando. Estou calmo e feliz, apesar de tudo. 

Contudo, na solidão a gente sempre pensa mais, reflete mais. Uma das minhas maiores reflexões é justamente sobre o ser humano. Como existem pessoas boas, solidárias, fraternas e humanas e como existem pessoas más, perversas, oportunistas. Lembrei-me de pessoas as quais dediquei horas de minha vida para ajudar-lhes a construir as suas e nunca sequer foram capazes de dar-me um telefonema. Tratam-me como se eu não existisse. Por outro lado, dói-me ver a pobreza de espírito da falta de solidariedade de certas pessoas, a ganância e a ambição de seus espíritos. Infelizmente, eu não posso voltar atrás e nem tenho instrumentais para conhecer as pessoas antes. Mas isso são apenas reflexões de um sábado solitário. Outros virão, e preciso acostumar-me, tanto com  a reflexão diuturna quanto com os desencantos. Já os encantos, advém de onde menos esperamos e isso é o transborda nossas almas de alegrias e regozija nossos espíritos na paz e mansidão do Eterno. Mas a vida é assim mesmo. Vivendo, aprende-se. A dor também ensina-nos lições preciosas.

Advogacia

Há meses eu estava parado com a Advogacia. Apenas empurrava com a barriga as necessidades mais urgentes. Se prosperassem as denúncias das quais fui vítima, creio não teria mais coragem de seguir avante e cheguei até mesmo pensar em renunciar minha OAB e voltar-me à imprensa. Infelizmente ou felizmente, não sei bem, sou um homem de vergonha, certos fatos envergonham-me sobremaneira e meu perfil ético e moral não condiz e nem aceita o que estava acontecendo. 

Agora, com essa decisão judicial de ontem, respirei aliviado, parece que tiraram um peso dos meus ombros, dormi super em paz, estou sereno, tranquilo e - sobretudo - com a decisão firme de voltar a trabalhar com a advogacia, com respeito e seriedade, como sempre fiz com as pessoas que confiam em mim.

Minhas anotações de sábado, a fé e as respostas de Deus

Certa vez, num passado não muito distante, eu tive um incidente muito forte com uma jovem; trocamos ofensas, melhor, eu a ofendi em função de um debate que existia acerca do museu de comunicação social da URI. Só que nunca vi seu rosto e nem sabia de quem se tratava.

Hoje, sei tratar-se de minha jovem colega Advogada Carla Albuquerque.

Nos últimos tempos, ficamos amigos e numa troca de idéias ela me falou uma coisa que me deixou perplexo pela constatação. Dentre tudo que me falaram desde minha separação, nada fazia sentido, nada batia com minhas idéias, nada se encaixava. O que ela disse, porém, foi a coisa mais certeira, mais lógica, aliás, uma observção sábia ao extremo. A única coisa que fez sentido. Confesso que ela me fez entender a Eliziane e todas suas atitudes em face do nosso ex-relacionamento.
  
Como eu já vinha numa fase de me reencontar, saindo bem da crise, confesso que a colega Carla jogou-me as luzes elucidadoras que faltavam para eu sair da escuridão completa do mundo de incertezas. Obrigado Carla, você é e foi demais, figura humana de uma sabedoria ímpar. Hoje sou grato pela sua existência e votos que você também supere-se.

=

Hoje pela manhã entreguei a ata de reintegração definitiva do Artur Vieiro na EMATER, devidamente homologada pelo TRT4, e com a ASCAR-EMATER desistindo de qualquer recurso contra ele. Recebi-o ontem, em Porto Alegre, e Artur ficou feliz da vida, disse que colocar tudo num quadro. Assim, esta definitivamente encerrado o caso. Sucesso ao Artur e a sua família. Eu fiz a minha parte como Advogado. 

=

Desejo a todos um bom sábado, e volto logo mais com outras anotações, se for o caso. Por outro lado, estou muito feliz, não tanto pela sentença do poder judiciário, mas também porque eu já vinha me entendendo com a Eliziane no sentido de como nos dividirmos nos cuidados e na guarda da Nina. O passado é passado, nossa relação morreu, mas precisamos cuidar bem da nossa filhinha e orientar bem sua cabecinha em direção ao futuro para evitar traumas logo ali adiante. Que bom que foi a maturidade e a compreensão da Lizi e - sobretudo - credito tudo as orações e os pedidos com fé que eu fiz a Deus. 

 

sexta-feira, setembro 26, 2014

Sentença da Justiça

Saiu a sentença mais aguardada da minha vida. Chorei tanto de tanta felicidade. Não vou dar maiores detalhes, por enquanto, para preservar as partes e também o bem estar entre mim e minha filhinha. Mas estou feliz feliz feliz. 

Minha vida nas mãos de Deus

Eu tinha 12 anos quando batizei-me na Igreja Evangélica, a despeito de meus pais serem católicos e totalmente contra minha jovem opção.

Passaram-se os anos, andei aparentemente distante, mas nunca abri mão dos princípios evangélicos. Quando estudei língua hebraica, então com 24 anos, no Instituto Marc Chagal, em Porto Alegre, descobri o meu lado marrano, mas percebi desde então que a compatibilidade dos princípios judaico-cristãos orientariam minha vida para sempre. E assim o foi. 

Sempre declarei-me evangélico, quando perguntado. Embora durate muito tempo fui fortemente contagiado pelo ateísmo e uma certa descrença, fato errôneo, mas próprio do homem. Cair é do homem, levantar é de Deus. 

Deus tirou-me tudo, perdi tudo, perdi minha casa, minha família, mas continuo convicto que algum propósito existe nisso tudo. Tenho fé e espero com mansidão pelo que vai acontecer. Apenas luto e resisto pela minha filhinha, a qual eu amo com a maior profundidade de minha alma e sei que meu amor por ela é absolutamente puro e sincero. E também porque desde que ela nasceu, tenho orado pelo seu futuro e sempre mantido sua fotinho no meio da minha bíblia. 

Mas estou nas mãos de Deus. O que tiver que ser será, e será a vontade de Deus.