Páginas

sexta-feira, janeiro 20, 2017

Antes do assassinato de Alacir discutia-se nas redes sociais sobre a "bomba" que explodiria no Capão do Cipó

Antes do assassinato de Alacir e sua esposa, pessoas da comunidade alardeavam em postagem no facebook sobre uma "bomba" que explodira no Capão do Cipó.

No domingo, dia 08, antes do crime, falam abertamente na bomba

A que bomba se referem estas pessoas?

Recebi o print da matéria e é assustador. 

Ou seria uma terrível coincidência ou estas pessoas sabiam do que estava acontecendo. 

Embora eu tenha recebido a postagem no facebook por uma outra fonte, lembro que a Constituição Federal me assegura a inviolabilidade da fonte, artigo 5º, XIV, CRFB-88: A Constituição assegura o sigilo da fonte. Assim nem a lei, nem a Administração, nem os particulares podem compelir um jornalista a denunciar a pessoa ou o órgão de quem obteve a informação. Sou Jornalista, devidamente inscrito na DRt-RS sob nº 11.175. Portanto, não adianta me pedirem, não revelo minhas fontes e - como Advogado - faço valer meus direitos constitucionais e minhas prerrogativas legais e constitucionais. 

Sei que a própria Delegada Débora, talentosa profissional, que conduz este caso, está altamente intrigada com estas postagens no facebook, afinal era abordado abertamente o assunto bomba sobre o Capão do Cipó, horas antes do crime e horas antes de acharem o corpo.

Um cidadão da cidade diz textualmente: AMANHÃ, A GRANDE BOMBA EXPLODIRÁ. 

A seguir, comentam-se e dizem que a bomba explodirá. 

Um grupo que me dá suporte teve a precaução de copiar e preservar as postagens antes que fossem deletadas. 

Está tudo em meu poder. 

É quase inacreditável.  Não adianta chegarem em mim porque, afora os serviços que me dão suporte terem as gravações e cópias, tomei precaução de entregá-las a algumas autoridades. 

COMUNICADO DE MUDANÇA DE ENDEREÇO

Nosso escritório não será mais no Shopping Ilha Bella Center.

A partir de fevereiro estaremos atendendo na Rua Barão do Ladário, 1836, antiga QUALIGRAF, esquina com a Dr. Rivota. 

Ainda estamos em fase de instalações, mudanças, pinturas, em suma, ajeitando as novas instalações, de melhor acesso ao público, no caminho do novo FORUM e em ambiente mais amplo e espaçoso. 

O Shopping é um excelente local. Porém, tem o inconveniente de ser no segundo andar o escritório, e as instalações estavam realmente ficando muito pequenas e apertadas. 

De qualquer forma, já estamos no local novo e contatos conosco podem ser feitos pelo telefone 99680.7407, 99901.0414 e 98123.5945.

Da morte de Teori Zavacski

Custo a crer que a morte do Ministro do STF, Teori Zavacski seja algo articulado e planejado. Se foi, afora um crime injustificável, pois era um homem bom e decente, o Brasil estaria - definitivamente - abaixo da linha da criminalidade e da bandidagem. 

Ora, assassinar um Ministro da Suprema Corte não é algo assim tão simples. 

Dias atrás, todo o movimento de direita do país o acusava de ser petista e de beneficiar o PT. Agora, basta correr os olhos nas redes sociais, que acusam os petistas pelo seu suposto assassinato.

Ademais, a atuação dele no caso da operação lava jato é bem conhecida, bem como as decisões que anunciaram nos próximos dias. Entretanto, a morte, no máximo, atrasa um pouco o caso das delações premiadas, pois basta nomearem outro Ministro ou mesmo algum da própria corte assumir o caso e tudo seguirá no mesmo ritmo. O máximo que houve foi um atraso.

Agora, se a intenção era dar um aviso e botar medo no Judiciário, aí a coisa muda de figura. Não é um crime apenas contra um Ministro, é um atentado contra o País. Contra todo nosso país. 

Pelas regras constitucionais, caberá ao Presidente Temer escolher o novo indicado e esse será sabatinado pelo Senado da República. Com a Presidência atolada em denúncias e o senado, também enlameado, será uma escolha muito difícil e viveremos dias complicados e de insegurança jurídico-institucional e política.

De resto, é claro, evidente, que paira o medo, a incerteza e a insegurança. Relatórios sobre quedas de aviões são sempre inconclusivos, nunca apontam as reais causas com exatidão e por mais que a PF se esforce na busca da causa real, sempre haverá uma terrível margem para dúvidas. 

O Brasil vive momentos complexos. Doloridos. Mas vamos aguardar pelas autoridades. 

Boa sexta-feira para todos.

Estou na cidade de Jóia, onde pernoito. Só retorno a Santiago no início da tarde. Estou tentando uma série de entrevistas. 

Desejo a todos uma boa sexta-feira e logo mais estarei de volta a Santiago.  

Antes, porém, passo mais uma vez no Capão do Cipó. 

Documentos que estavam em poder de Alacir

Documentos que estavam com Alacir, sumidos desde seu assassinato, referia-se as redes de água, no valor contratado de um milhão e meio de reais, licitado e contratado, para dinamitar pedras. Quando surgiu a primeira denúncia no Ministério Público Federal, foi feito um termo aditivo no contrato e diminuíram quase 1 milhão e 400 mil reais; não tem pedra, é só terra. Só de transporte de terra são mais de um milhão de reais. Esses documentos, relatórios de medição, estavam em poder de Alacir. 

Como estou de pose dessa documentação, vou entregar tudo as autoridades, pois estas estavam em poder de Alacir e sumiram de sua casa. 

Essa é apenas uma das muitas denúncias que estavam com o grupo de Alacir e cujas cópias foram-me repassadas. 

Documentação

Recebi todos os relatórios do fechamento do balanço contábil do município do Capão do Cipó. O secretário Pinheiro convocou o conselho municipal de saúde para destinar mais de 300 mil da saúde para as obras. A presidente do Conselho é a esposa do prefeito de Santiago e ela e os demais membros do conselho não autorizaram a inversão das rubricas. A despeito de não haver autorização do conselho municipal de saúde, assim mesmo houve deslocamento dos recursos da saúde para as obras. 

Dentre os documentos que recebi e estou analisando, está esta a posição contrária do conselho...ou, pelo menos, não autorizada de transferências de verbas de saúde para as obras. 

Não se sabe, exatamente, quem agiu por conta ou quem autorizou essa transferência. Um grupo contábil particular está analisando toda a documentação, mas o certo é que a esposa do Prefeito Tiago Gorski não chamou reunião do conselho de saúde e nem houve aquiescência para tal alteração. 

Os documentos que foram-me repassados deverão ser entregues a uma força-tarefa do Ministério Público, para a devida análise dos fatos.

Nesse ponto, não estou emitindo nenhum juízo, apenas relato o que sei e o que estou analisando. 

----



 

quinta-feira, janeiro 19, 2017

Evidências demonstram que assassinato de Alacir e sua esposa foi criteriosamente articulado

Os fatos demonstram, cada vez mais, que houve um amplo complô para assassinar Alacir e sua esposa. Ao que tudo indica os assassinos começam a chegar no Capão do Cipó ainda no sábado. 

Sábado, dia 07, desce do ônibus, em frente ao Clube Aliança, vindo de Santiago, um homem moreno, alto, forte, portanto uma sacola, e dirigiu-se a casa do assassino confesso. 

Quem era esse homem?

Ontem, a Polícia Civil esteve na AGROFEL para requisitar as gravações, e estas já não mais estavam armazenadas no HD. A polícia chegou tarde demais e não foi possível identificar quem era essa pessoa.

Amigo do assassino confesso, cuja esposa chorou na frente de autoridades municipais, antes da descoberta do corpo, viu um moreno alto sair em alta velocidade no carro de Alacir, só que não avisou a Polícia. O que houve? Ele sabia de algo? Por que ficou inerte?

Ademais, essa pessoa chegou a ceder a chácara, onde o assassino confesso morou por dois meses.

Por que o choro de sua esposa?

Sábado a noite, antes do crime, 3 pessoas que não são da comunidade, andando num carro prata, estiveram num bar local. Estas pessoas nunca foram vistas no Capão do Cipó. Era um moreno alto. Um outro homem, meio baixo, gordinho, e um jovem, magrão, tatuado e usando brinco.

Quem são estas pessoas e por que estavam num bar do Capão do Cipó, no sábado a noite que antecedeu ao crime?

As evidências apontam no sentido de que esse moreno alto pode ser o mesmo que desceu do ônibus na frente do Clube Aliança e se juntou aos demais. Todos estavam na casa do assassino.

Todas as evidências conduzem ao fato de que este crime foi encomendado, foi tudo articulado previamente. Ora, para haver essa reunião de pessoas na casa do assassino confesso, é certo que havia alguém por trás tramando tudo. 

Este não foi um crime comum. Foi tudo articulado, previamente pensado. A coisa é maior do que possamos imaginar. 

O clima na cidade é de pavor e medo. E tem gente assustada e pisando em ovos. 

As revelação não param de chegar. 

Estou sabendo de mais coisas. Sugiro ao Prefeito Froner que se cerque de cuidados pessoais. De preferência, ande com seguranças.

Mais pessoas ameaçadas de morte em Capão do Cipó

Alacir estava ameaçado de morte, assim como mais duas pessoas da comunidade, todos dirigentes partidários, sendo que um deles fez ocorrência policial denunciando que estava com sua morte encomendada.

Existem mais duas pessoas, na mesma situação.

A pergunta que não quer calar:

Se os assassinos entraram na casa, onde estão as impressões digitais? Pelo que estou sabendo, não existem estas impressões na casa? Então como sumiram os documentos que estavam em posse de Alacir? 

Alguém, refinado, usando luvas, para não deixar marcas, levou os documentos que estavam em poder de Alacir.

Que documentos eram estes? Eram os mesmos entregues ao Ministério Público Federal, envolvendo rede d´água, rede d´água da FUNASA, obras da Escola ou o uso de AIHs para cirurgias plásticas, escândalos que estourou em novembro e até não foram esclarecidos?

(Aliás, é só no Cipó que fazem isso?)


Acabei de receber cópias de alguns desses documentos. Como são xerox, pedi ao Prefeito Froner para averiguar a autenticidade e vou publicá-los tão logo confirme-se a autenticidade. Esses documentos que estavam de posse de Alacir sumiram da casa no dia do crime. Mas Alacir tinha dado cópias a um dirigente partidário, também ameaçado de morte,  e esse foi  quem guardou tudo e me passou as cópias.

O próprio prefeito Froner corre risco de vida. 

O líder partidário que fez a ocorrência policial dando ciência que está ameaçado de morte, fez isso antes do assassinato de Alacir, o que demonstra a gravidade do quadro. 

Estou voltando ao Capão do Cipó

A explosão de acessos e a mobilização geradas pelas matérias sobre o assassinato do Secretário Alacir e sua esposa, despertaram uma onda de fatos novos, que impressiona.

Tenho agendado, exatamente, doze pessoas da comunidade que pediram para falar comigo. 

Estou indo ao Capão do Cipó e ao encontro destas pessoas que julgam ter informações relevantes para repassarem-me.

Antes de ser advogado, integro a associação brasileira de jornalismo investigativo, a quem já comuniquei de minha presença cidade. Estou a trabalho, primeiramente, como jornalista, segundo, como advogado. 

Estou, portanto, indo novamente ao Capão do Cipó. Vou colher informações, entrevistar pessoas e acrescer fatos novos ao caso em questão. 

Impossível me furtar de ouvir todas estas pessoas que têm algo a dizer. 

 

 

Novas revelações evidenciam trama para assassinar Alacir. Do assalto da AGROFEL a ação da faxineira de Dete


A cada momento surgem pistas e informações novas que aludem no sentido de que a trama para o assassinato de Alacir e sua esposa é maior do que se pensa. 

NOVOS PONTOS NÃO ESCLARECIDOS E ZONAS NEBULOSAS

1 - O assalto a AGROFEL: Assaltada, produtos furtados foram enxertados nas propriedades do Prefeito Froner. Curiosamente, quem achou e identificou os produtos furtados da AGROFEL e "plantados" nos campos do Prefeito Froner, foi justamente ALACIR.

2 - Só que os ladrões, ao fazerem o serviço, perderam um telefone celular, que foi achado por ALACIR.

3 - Alacir, entregou o celular para a Polícia e por tal intermédio foi possível a identificação de alguns dos assaltantes. Embora tenha permanecido a dúvida: com que intenção desovaram tudo nas propriedades do Prefeito Froner?


FAXINEIRA CONFESSA QUE ALACIR SABIA DO FURTO CONSTANTE DE PEIXES E MEL

Informações obtidas pelo blog aludem que a Senhora Duda, faxineira de Dete, relatou que ALACIR tinha pleno conhecimento do furto de peixes e até de mel. Ela ouvia, frequentemente, ele conversando com sua esposa e dizia: "deixa, eles pegam para matar a fome". 

Assim, ALACIR, que todos os dias alimentava os peixes, tinha plena consciência de que o suposto assassino ( confesso) pegava os peixes do seu açude, mas fazia vistas grossas, e quando questionado dizia que pegavam por saciar a fome. Era, portanto, tolerante com o fato de os assassinos pegarem peixes e até mel.

 SURGE MAIS UMA PESSOA QUE VIU 5 PESSOAS NA CASA DOS ASSASSINOS

Não posso revelar o nome, mas é uma assistente social, que conhece bem o local, ao passar por lá, pela casa dos assassinos, domingo a tarde, também viu movimentação, eram 5 pessoas na sombra. É, portanto, a segunda pessoa que corrobora a mesma informação já confirmada por uma testemunha chave, que vai na mesma linha. 


LADRÕES DEIXARAM A CAIXA DE JÓIAS E UM BRACELETE DE OURO QUE ESTAVA EM PODER DE ALACIR PARA PRESENTEAR UMA PARLAMENTAR QUE IRIA EMBORA

O bracelete de ouro sequer foi tocado. 

Ora, este caso está tomando proporções dramáticas. Se havia mais gente na casa, e a versão do carro em São Borja corrobora isso, mais o fato de duas senhoras terem visto mais pessoas na casa dos assassinos, é evidente que havia uma articulação muito bem feita. Alguém pensou tudo. 

Por outro lado, a caixa de joias e agora a informação do bracelete de ouro, que sequer foi tocado, geram inúmeras dúvidas. Se era latrocínio, por que então não roubaram a caixa de jóias?

Ademais, essa versão da faxineira Duda, de que Alacir sabia que os assassinos pegavam peixe para suas alimentações, evidencia que a história do furto de peixes não passa de uma montagem, sabe-se lá criada por quem e com que intenção.

Se havia mais gente, e o rosto de ALACIR foi desfigurado a pauladas, quem viu o corpo sabe disso, como podemos concluir que um aidético, debilitado, teria matado um homem forte e, de muita força, como ALACIR? 

Isso, no mínimo, é confuso.

Pessoalmente, eu já tenho minha opinião formada. Houve uma trama, muito maior do que se imagina. Existe autor intelectual deste crime. O rapaz, esse do peixe, portador de HIV, é parte da trama. O próprio debate acerca do furto de peixes, pode também ser parte da trama, para dar a entender que ALACIR entrou em briga pelos peixes, quando - na verdade - ele sabia que os assassinos consumiam os peixes e nunca se importou, pois entendia que os miseráveis estavam saciando a fome. 

Possivelmente, 3 ou 4 homens participaram do assassinato de ALACIR, afinal, como explicar a presença de todas estas pessoas na casa do assassino, domingo a tarde, versão corroborada por duas pessoas da comunidade e também pela PRF de São Borja?  

----

Mudando de assunto:

Está em meu poder um dossier sobre contrabando de agrotóxicos do Uruguai. 

Uso de imagem não gera indenização. Decide o Tribunal de Justiça do Estado

Uso de imagem em matéria jornalística não gera indenização
Imagem meramente ilustrativa

Uma mulher fotografada nas arquibancadas do jogo Brasil e México, em Fortaleza/CE, pela Copa do Mundo de 2014, teve rejeitado pedido de ressarcimento material e moral em ação contra a empresa Universo Online (UOL). O valor pretendido era de R$ 78 mil.

O indeferimento do pedido é da 10ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul, que manteve a sentença do Juízo da Comarca de Porto Alegre.

Processo

Ao ingressar na Justiça, a mulher queixou-se do uso desautorizado de sua imagem em diversos sites, entre eles o da ré. As fotografias foram publicadas em matérias com dezenas de imagens retratando torcedores brasileiros no estádio, segundo descrição das provas nos autos do processo.

A autora da ação alegou que a consequente exposição tomou contornos "desagradáveis". No recurso, mencionou súmula (nº 403) do Superior Tribunal de Justiça, que dispensa prova de prejuízo quando se trata do uso comercial da imagem de uma pessoa com fins econômicos e comerciais.

Recurso
Ao analisar o caso, o Desembargador Marcelo Cezar Müller fez referência ao caráter público do evento em que a foto foi realizada, retirando a "necessidade de autorização das pessoas que participam".
Sobre o conteúdo do material, disse que "o réu limitou-se a fazer matéria jornalística para enaltecer a beleza de determinadas torcedoras que se fizeram presentes no evento". 

Para o relator do processo, portanto, "a fotografia não possui caráter negativo, nem houve qualquer prejuízo à autora".

Quanto à alegação de que o material teve uso mercantil, o magistrado afastou a hipótese indicando o caráter comercial apenas indireto, sem "correlação específica com a matéria publicada ou ainda com a fotografia da autora".

Acompanharam o voto do relator os Desembargadores Jorge Alberto Schreiner Pestana e Túlio de Oliveira Martins. 

Processo nº 70071858757

EXPEDIENTETexto: Márcio Daudt
Assessora-Coordenadora de Imprensa: Adriana Arend
imprensa@tj.rs.gov.br
 



quarta-feira, janeiro 18, 2017

Um e-mail amoroso, à Roland Barthes

Júlio, meu amor:
Hoje a tarde


Não sou dada a escrita, como vcs aí em Santiago. Sou mais das construções e dos cálculos. Mas vou abrir uma exceção rsrsrsrsrs.

Amor, que lindo isto que vc escreveu sobre a Nina. Fiquei tão orgulhosa de você. És um pai raro, como poucos homens neste mundo. Não imaginas, nem por alto, o quanto te admiro, o quanto acho lindo esse teu amor pela Nina e mesmo pelo que acompanho pelas nossas conversas pelo tele-vídeo, noto o quanto ela também é agarrada com vc. 

Desde antes do natal do chove muito aqui no Mato Grosso. É água seguida de mormaços, com oscilações, ora esquenta, ora esfria. Esta foto que te mando tirei há pouco. Choveu e esfriou. Mas o tempo é esta maluquice total. 

Foto: 17 horas de hoje
Saudades de vocês. Ontem falei com a Nina ao telefone. Ela gritou: "é a Fátima, namorada do pai". Que amor de criança. 

Saudades amor. Muita saudades. 

Sei que tens que acompanhar um cliente teu na policia daí. Depois a gente se fala. Bj a Nina por mim e um bjão enorme para ti meu amado.

Fátima Brum Taques

O amor mais lindo, puro e sublime do mundo

Desde que minha filhinha nasceu, desde seus primeiros passos, ela adquiriu o hábito de viver grudada em mim. Ou segurando minha mão, ou agarrada na minha perna, ou no meu colo, ou dormindo em cima de mim. Bebezinha, ela só dormia em cima de minha de barriga. 

Com o afastamento de mim, com a separação, sofremos pela distância e pela ruptura. 

Agora, com a volta, Nina não se esqueceu de nada. Para dormir, separa um monte de livrinhos e tenho que ler-lhes as mesmas historinhas. Coçar-lhe as costas, fingindo tirar espinhas ... e para dormir, só segurando meus braços. 

Noite dessas, cometi um erro e fiquei apavorado, pois fiz minha filhinha chorar. Algo que me cortou a alma, quando tomei consciência do dano. 

Nina tem a mania de dormir com a cabeça deitada sobre meu peito. Tínhamos duas camas de solteiro e uma cama de casal. Mas quem diz que ela dorme longe de mim? 

Aí eu ajeito ela. Ajeito e ajeito. 

Mas ela vira e mexe e vem deitar no meu peito e segurar meu braço. É um gesto de amor sublime. É algo divino, uma benção. 

Só que eu não durmo. Fico acordado, cuidando dela.

Mas na noite de quinta-feira eu estava inquieto. Tinha jantado muito e tomei um dramim. Deu-me uma sonolência. Quando eu vejo a Nina tenta deitar sobre mim. Eu tiro ela e sigo dormindo. Ela volta. Eu tiro. Eu tiro e ela volta. 

Lá pelas tantas, sem conseguir dormir, falei assim: Nina eu vou sair daqui, tu não me deixa dormir. 

Meu Deus. Quando eu vejo, a pobrezinha estava desmanchada em lágrimas e soluçava chorando.

Aí percebi o mal que houvera feito. Recobrei minha consciência e vi que era bobagem eu querer dormir. 

Abracei minha filhinha, pedi desculpas, enxuguei suas lágrimas, disse que não mais faria aquilo e que ela poderia dormir em cima do meu peito. 

Ela parou de chorar. 

Consolou-se entre meus braços. Abraçou-se em mim e pegou no sono.

Quando a noto dormindo, levemente coloco-a para o lado e fujo para a cama de solteiro.

Durmo.

Durmo.

Quando vejo, um toque no meu ombro.

- Pai, sacana, tu fugiu? 

Não quis discutir. Voltei, abraçei-a novamente, ela se grudou nos meus braços e voltou a dormir. 

Sem outra alternativa, fiquei assistindo TV e quase ao clarear do dia peguei no sono. 

Eu não sei como são os demais pais. Mas o amor que sinto pela minha filha é algo mágico, é doce e transcendente. É um amor muito sublime, é divino e encantador. Por outro lado, eu que conheço a minha filha, noto o quanto o amor dela por mim permanece intacto, pois ela tenta reviver tudo exatamente quando eu a criava, desde a leitura de livrinhos, coçar-lhe as costas e o cabelo, até cantar hinos e passar-lhe o afeto dos braços e do peito paterno. Ela adora dormir sobre meu peito. Acho que tudo isso a passa segurança, dá-lhe tranquilidade, ela relaxa, adormece e vive momentos mágicos e de sonhos. 

Não existe amor mais sublime e mais lindo que o amor de um pai. Foi uma lástima o que aconteceu com nossa família e o corte que houve em nossos sentimentos. Mas louvo a Deus porque prevaleceu a força do amor e as sementes de carinho e afeto que semeei até o limite da compreensão de minha amada filhinha. 

Deus, o Eterno, tem sido maravilhoso para comigo e tem abençoado a Nina ricamente. Só eu sei o que passamos, foi algo muito ruim, pesado, machucado, doído. Tenho certeza, hoje, que Deus ainda reserva uma grande história para minha filhinha. Ela amadureceu precocemente. Aos 5 anos, defrontou-se com juízes e juízas, teve uma hombridade ímpar, impensável para uma criança de 5 anos, frente a frente com um juiz, narrando suas posições, confrontando outras, mas - sempre - sobretudo, reafirmando o amor pelo paizinho dela. 

Eu me orgulho muito de minha filhinha. Demais. Nina é incrível. Quando sofre, sofre calada, não fala nada. Apenas guarda para si e só divide comigo suas incertezas. 


Deus que tudo sabe e tudo vê, conhece nossas Verdades. Deus saberá dar-nos um caminho de luz e de paz. Nina, hoje, tem 6 anos, mas uma maturidade que surpreende qualquer adulto. Eu a formei para a vida e para o mundo. Logo logo ela estará sozinha, e ela sabe disso, mas tem a certeza e a maturidade que, em espírito, eu estarei com ela, para todos os sempre, enquanto seu corpo for carne e viver na terra. E ela sabe que o amor do pai é fundamental para ela ser guerreira, forte e brava. Ela sabe discernir as coisas. Como sabe. 

 


 

Alô Promotoria Pública da Comarca de Santiago

Concursos - Processo seletivo simplificado - 02/2017

Edital: 02/2017
Situação Aberto
Data de Publicação: 13/01/2017
Data do Concurso: 16/01/2017
Local: SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO
Objetivo:
PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA CONTRATAÇÃO POR PRAZO DETERMINADO Nº 02/2017
CARGOS DE PROFESSOR E NUTRICIONISTA


----------

Não entendo porque ainda não acionaram o Ministério Público na defesa dos interesses difusos da sociedade regional. Estes processos seletivos, com base apenas na avaliação dos currículos, sem sequer uma prova de avaliação, é uma piada, posto que as regras são totalmente distorcidas e de difícil entendimento. 

Grassa a ignorância, Prefeito Tiago. A matéria acima eu colei do site oficial do Município revela ignorância total. Anunciam um processo seletivo dia 13 e dizem que a data do concurso será dia 16.

Incongruência nº 1:
Data de publicação do edital dia 13 de janeiro. Sexta-feira. Ninguém lê.

A prova, que eles erroneamente chamam de concurso, é dia 16, segunda-feira. 

Está evidente o golpe, pois não há tempo para a devida publicidade, apenas quem está previamente ligado faz as inscrições. 

Incongruência nº 02:
Olha, santa ignorância, processo seletivo é um instituto e concurso é outro. Aqui em Santiago eles fazem um processo seletivo e anunciam a data do concurso. Meu Deus, este é o governo técnico e moderno de Tiago Gorski, gente que não sabe a diferença entre concurso e processo seletivo?

Incongruência nº 03:
Processo seletivo com base apenas na análise do currículo. Sem uma provinha básica sequer.


Já que estes vereadores da oposição são uns fantoches, urge que o Ministério Público faça a devida intervenção de ofício. Como pode divulgarem um Edital na sexta-feira e a seleção ocorrer na segunda-feira. 

É evidente que isso é golpe baixo. É evidente a falta de transparência e o princípio da publicidade está devidamente ferido. Assim como os Princípios Constitucionais da Razoabilidade, Moralidade e Probidade.

Isso tudo precisar ser anulado imediatamente. 


 

Caso Alacir Dessoe e sua esposa: mortes complexas e versões pouco convincentes

Estou entre os que não acreditam na versão até agora apresentada e apurada para a morte do secretário Alacir Dessoe e sua esposa.

Por mais que eu me esforce para compreender, juro que as coisas não batem e não fecham.

Não estou criticando o excelente trabalho da Polícia Civil, não se trata disso. Sei bem da eficiência e da seriedade da nossa Polícia. Agora, quanto mais eu leio sobre o caso, mais dúvidas geram-se em minha cabeça. Estive no Capão do Cipó. Conversei com pessoas, ouvi pessoas.

Creio que a Polícia Civil deveria dar uma coletiva para a imprensa (ao invés de ficarem largando as coisas pingadas para este ou aquele). 

Meu escritório assumiu o inventário da família que envolvia o então vereador Alacir. Sei bem como a coisa era conflitante, no começo, envolvendo o próprio. Foi exatamente aí que ampliei minha relação com ele, de quem já era amigo. Éramos excelentes amigos. E é exatamente aí que começa a coisa ficar nublada na minha cabeça. 

Não acredito na tese do acaso. Seria fatalidade demais: o encontro dele e sua esposa com os marginais do açude, justo no dia em que a filha do casal não estava no local. Coincidência incrível. 

O sangue na casa e a casa fechada é outro ponto que não bate. O que aconteceu, afinal, que os corpos apareceram longe da casa? 

Os bandidos fecharam a casa com tanto zelo?

Também não entendo isso!!!

É voz corrente na comunidade que havia um outro carro circundando a região. Que carro misterioso era este? Será uma elucubração dos moradores ou realmente este carro existiu e monitorava algo?

E o fato de a filha do casal não estar - justamente - no dia, será mera coincidência ou alguém sabia que ela não estava?

Havia mais alguém na cena do crime?

Quem?

Mais bandidos? Quantos? Quem são? Por que os presos até agora não delataram os demais envolvidos? Ou não houve mais alguém? Teriam mandantes?

Alacir era um homem rude, muito forte, tinha muita força, era dado as lides rurais? Será que ele morreu assim tão banalmente pelas mãos de um fracote, portador de HIV?

O casal bandido era portador de HIV. Portanto, gente debilitada. Estavam sendo assistidos pela secretaria de saúde do Capão do Cipó que estava preocupada com a situação de ambos.

Me perdoem. Mas está história - para meu entendimento - está muito mal contada.

Se a morte foi por afogamento, os filetes dos pulmões - via perícia - é que vão indicar, especialmente se Alacir foi afogado e morreu em face do afogamento ou se foi morto e depois jogado no açude. Este ponto, embora obscuro, é factível de ser elucidado pela medicina legal. O que não se sabe é se os pulmões do mesmo foram retirados e enviados para análise médico-legal !!! Quem estudou medicina legal sabe que os filetes roxos nos pulmões indicam se a pessoa morreu afogada ou não; se esta foi morta e depois afogada, não aparecem os filetes roxos nos pulmões. Isso é básico na formação jurídica de um bacharel em direito e quase todos os advogados sabem disso. E o que a perícia concluiu sobre os pulmões de Alacir?

Por outro lado, onde o corpo de Dete, a esposa,  foi encontrado, não havia o menor vestígio de lutas. Tudo indica que ela foi desovada naquele local. Isso que dizer que alguém a carregou. E as marcas das pisadas no local barrento?

Já no local onde encontraram o corpo de Alacir, havia muito vestígio de pisadas, sinais de enfrentamento. O que a perícia identificou? Quantos solados de calçados foram identificados pela perícia? Pelo amor de Deus, pelas marcas e vestígios fica fácil inferir à participação de mais pessoas. Ou não!

O senhor Claudenir Dela Flora, morador do Capão do Cipó, criador de vacas de leites, muito conhecido da comunidade, assegura que viu barulho de dois  carros passando,  sendo um atrás do carro do de Alacir? Saiu atrás e seguindo!!! Mas que carro era este? Quem estava neste carro??? Esta versão é relevante? Seria mero acaso?

Por outro lado, esta propriedade onde os assassinos estavam morando pertencia do Senhor Neri Scarton. A esposa de Neri era irmã do Alacir. Só que Neri Scarton alugou a casa para o assim chamado alemão Juliano Sheffer, que foi quem levou os assassinos para casa, sem comunicar o proprietário senhor Neri Scarton. E, ademais, alemão é cunhado dos matadores. 

Um fato intrigante demais: Alacir estava no Passo do Tibúrcio, na propriedade dos Weimann, quando recebeu uma ligação e pronunciou, em tom angustiado, "já estou indo, já estou indo". Quem ligou para ele e que ligação foi esta?

As filmagens das câmeras da AFROFEL indicavam que o carro de Alacir passou no local logo após as 18 horas. A pergunta: havia mesmo o tal carro seguindo o carro de Alacir? Independente disso, o fato é que ele foi atraído por esta ligação. De quem era essa ligação? Esta questão é chave!!!

Existe um fato também intrigante e que - no meu entendimento derruba a tese do latrocínio - é que havia uma caixa de jóias, exposta em cima da cômoda, com anéis de ouro, correntes ... e esta simplesmente, a despeito de estar bem a vista, não foi sequer tocada. Ora, como a caixa estava a vista e os assassinos não tocaram na caixa, eles não estavam a fim e roubar e isto derruba, sob certo aspecto, a tese do latrocínio.

Por fim, uma criança de 4 anos, filha do casal assassino, presenciou tudo. Ouvida pela psicóloga (declino de citar o nome) teria contado o que viu, especialmente aspectos do crime em si. Por incrível que pareça, uma criança de 4 anos assistiu a tudo. 

O caso é complicado demais e tem vários vieses. Não se trata de uma questão assim tão simples.